CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL PARA COLATINA/ES: PROPOSTA PROJETUAL A PARTIR DE DIRETRIZES DE PSICOLOGIA AMBIENTAL

Silva, Luiza de Mattos (2020-08-24)

tcc

Os ambientes voltados para saúde mental passaram por grandes transformações ao longo da história, em que se destaca a transição de Manicômios para Centros de Atenção Psicossocial. Apesar dos avanços na legislação que trata o assunto, muito ainda precisa ser observado para assegurar um ambiente propício à recuperação e socialização do paciente atendido pelo sistema. Neste contexto as contribuições da Psicologia Ambiental surgem como suporte ao entendimento das relações pessoa/ambiente. Assim, este trabalho objetiva desenvolver um projeto arquitetônico para um Centro de Atenção Psicossocial tipo II no município de Colatina/Espírito Santo, a partir de diretrizes fundamentadas na Psicologia Ambiental, especificamente relacionados ao pertencimento, apropriação e territorialidade. Para tanto, o trabalho se estrutura nas etapas: (1) reconstituição histórica do conceito de loucura; (2) uma análise dos ambientes de saúde mental; (3) análise das referências teóricas de Psicologia Ambiental, sobretudo Cavalcante, Elali, Fischer e Moser; (4) estudo de caso de um CAPS II em Colatina, por meio de instrumentos de Avaliação Pós-Ocupação (APO) a fim de compreender a experiência dos usuários em relação à instituição, assim como suas fragilidades e potencialidades e (5) a proposta projetual. O desenvolvimento do projeto considerou todos os conceitos, estudo de caso realizado, legislação específica e estudos dos condicionantes ambientais para o entorno urbano do local selecionado para o projeto. A humanização dos ambientes se configura a partir de algumas decisões fundamentais, como a valorização da relação interno-externo e espaços refúgio, a garantia de privacidade, rompendo com o excesso de vigilância deste tipo de instituição, além de soluções que possibilitem a apropriação destes ambientes.