A importância do brincar no desenvolvimento infantil: O Programa Criança Feliz

Fernandes, Dogmar Amaro (2020)

tcc

A presente pesquisa tem, como objetivo geral discutir a importância do brincar como estratégia educativa no desenvolvimento integral na primeira infância no contexto do Programa Criança Feliz. Trata-se de um estudo qualitativo, no qual, foi feita uma pesquisa bibliográfica, analisando a posição de estudos, já consolidados acerca da temática proposta. Lançado em 2016, o Programa Criança Feliz é uma iniciativa do Governo Federal para ampliar a rede de atenção e o cuidado integral das crianças na primeira infância, considerando sua família e seu contexto de vida. O Criança Feliz estimula a responsabilidade dos adultos que são referência para a criança no seu dia-a-dia, que se relacionam diretamente com ela, estabelecendo os vínculos afetivos mais próximos durante os seus primeiros anos de vida, promovendo também o fortalecimento do papel das famílias no cuidado, na proteção e na educação das crianças na primeira infância e encorajando o desenvolvimento de atividades lúdicas envolvendo membros da família. Outro papel importante do programa é reforçar a implementação do Marco Legal da Primeira Infância, Lei 13.257/2016, que ressalta a necessidade da integração de esforços da União, dos estados, dos municípios, das famílias e da sociedade no sentido de promover e defender os direitos das crianças e ampliar as políticas que promovam o desenvolvimento integral da primeira infância. O processo de aprendizagem faz parte do ser humano, e a criatividade faz com que aquele processo se desenvolva a partir de novos experimentos. Tem-se, então, no lúdico, uma forma de estimular e transformar a assimilação do conhecimento em um processo prazeroso e divertido. Alicerçada nos fundamentos de autores como Kishimoto (1998), Sousa (1996), Piaget (1975), Vygotsky (1998), Ariés (1978), este estudo aponta a utilização da ação lúdica no aprendizado, entendendo que o brincar é algo próprio do ser humano e através de tal ação, a criança não apenas se diverte, mas também se desenvolve como sujeito.

The present research has a purpose to discuss the importance of playing as an educational strategy in early childhood development in the context of the Happy Child Program. This is a qualitative study, in which, the bibliographic research was used, analyzing studies, already consolidated on the proposed theme. Launched in 2016, the Happy Child Program is an initiative of the Federal Government to expand the care network and comprehensive care of children in their early childhood, considering their family and their life context. The Happy Child Program encourages responsibility of the adults who are a reference to their child during their daily lives, which has a direct relationship with them, establishing the closest emotional bonds during their first years of life, also reinforcing the role of the family to take care, to protect and to educate these children in their early childhood, and encouraging development of recreational activities involving the family members. Another important role of the program is to reinforce the implementation of the Legal Framework for Early Childhood, Law 13.257 / 2016, which highlights the need for integration of efforts by the Union, states, municipalities, families, and society to promote and defend children's rights and expand policies that promote the integral development of early childhood. The learning process is part of the human being, and creativity makes that process develop from new experiments. Then, in an amusing method, there is a way to stimulate and transform the assimilation of knowledge into a pleasant and fun process. Based on the foundations of authors such as Kishimoto (1998), Sousa (1996), Piaget (1975), Vygotsky (1998), Ariés (1978), the research will point out the use of ludic action in learning, to understand that playing is something proper to human beings and through such action, the child will not only have fun but also grow up well.


Collections: